Praça da Liberdade

Visitando BH

Ao visitar Belo Horizonte é curioso notar as denominações das ruas e como elas facilitam, de forma lógica, o entendimento da cidade. O nome das ruas homenageia os Estados brasileiros. Na região central, estão os estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste; na região da Savassi, são os estados do Nordeste; já os estados do Norte passam pelo bairro Santa Efigênia.

Elas seguem a sequência do mapa do Brasil. Um exemplo: após a rua São Paulo, vem a Rio de Janeiro, a Espírito Santo, a Bahia e, assim, vão se seguindo. As vias que cortam as ruas com nomes de Estados na região central prestam homenagem a tribos indígenas, como, por exemplo, rua Tupinambás, Guarani, Tupis e Tamoios. As que cortam os Estados do Nordeste fazem um tributo a personagens da história do Brasil e de Minas Gerais: Tomé de Souza, Antônio de Albuquerque, Fernandes Tourinho, Tomás Gonzaga e outros.

Uma dica para quem procura um tour de cultura e tem pouco tempo para visita é o Circuito Cultural da Praça da Liberdade, que abriga diversas opções como museus e centros culturais, além de eventos nas diversas areas das artes.

Circuito Cultural Praça da Liberdade

Circuito Cultural Praça da Liberdade

Sede histórica do Governo de Minas Gerais e antiga residência oficial dos governadores do Estado, o Palácio da Liberdade está aberto à visitação pública desde julho de 2013, oferecendo roteiro histórico-cultural que permite conhecer a história de Minas. Prédio central do conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade, o Palácio foi construído em estilo eclético com influência neoclássica. A museografia do espaço apresenta a exposição permanente - Palácio da Liberdade - Memórias e Histórias”, com projeto assinado pelo curador e designer Marcello Dantas, e conta com visitas orientadas em um percurso com duração média de 50 minutos. O edifício foi inaugurado em 1897, tornando-se palco de decisões políticas e sociais que marcaram a história do povo mineiro e brasileiro. Entre 2004 e 2006, o prédio passou pelo maior processo de restauração desde sua inauguração, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) e apoio do Instituto Oi Futuro.

Funcionamento: sábados, domingos e feriados, das 10h às 15h, com permanência até às 16h. O espaço interno tem capacidade de atendimento de até 300 pessoas por dia.

A Casa Fiat de Cultura está instalada no Palácio dos Despachos, edifício que integra o conjunto arquitetônico e histórico do Palácio da Liberdade. A instituição, mantida pelas empresas do Grupo Fiat, realizou completa revitalização do prédio, implantando a mais moderna tecnologia museológica. Considerada um dos mais importantes espaços para discussão e exposição das artes no Brasil, a Casa Fiat de Cultura destaca-se pelo alto valor histórico, artístico e educativo da sua programação. Além de grandes mostras inéditas reunindo acervos dos mais importantes museus e coleções do Brasil e do mundo, a instituição realiza, ainda, programa de palestras, sessões de cinema e atividades educativas, e destaca-se por oferecer experiências qualificadas e enriquecedoras para todos os públicos. Sempre com programação gratuita, entre seus objetivos, estão a valorização do patrimônio, a circulação dos bens culturais, a difusão das culturas brasileira e mundial, a formação de público e a ampliação do acesso às artes como forma e promover o desenvolvimento humano e social.

Funcionamento: 3ª a 6ª-feira, das 10h às 21h | Sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h. Entrada gratuita. Consulte antes a programação.

A Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa completa 60 anos em 2014 e abriga mais de 260 mil títulos, entre livros, jornais e revistas atuais e históricas, atendendo crianças, jovens, adultos, pessoas com deficiência visual, pesquisadores e outros públicos. Está localizada no bairro Funcionários, em um prédio projetado por Oscar Niemeyer na Praça da Liberdade e no Anexo Professor Francisco Iglésias, na Rua da Bahia. O espaço recebe aproximadamente 300 mil pessoas por ano e reúne, entre outros, obras representativas da produção intelectual de escritores brasileiros e coleção de autores mineiros de todas as épocas. Entre os diferenciais da Biblioteca, também destaca-se o amplo acervo digitalizado, as salas de estudo e de pesquisa via internet, o Teatro, a Galeria de Arte Paulo Campos Guimarães e a Passarela Cultural.

Funcionamento:
- Coleções Especiais e Hemeroteca Histórica: de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.
- Braille, Periódicos e Infantojuvenil: de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. Aos sábados, das 8h às 12h.
- Empréstimo, Passarela Cultural, Referência e Estudos e Sala de Estudos: de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. Quinta-feira, horário estendido até às 20h. Aos sábados, das 8h às 12h.
- Galeria de Arte Paulo Campos Guimarães: de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h. Aos sábados, das 8h às 12h.

Atualmente instalado no Prédio Verde, antiga sede da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas, o Centro de Informação ao Visitante conta com atendentes bilíngues em inglês, espanhol, francês e Italiano, além de intérpretes em Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) e Braille. No local, o turista pode se informar sobre as principais atrações de cada espaço, bem como orientações sobre outros pontos turísticos de Belo Horizonte. Além do atendimento interpessoal, o Centro de Informação conta com totens que detalham desde serviços de alimentação e transporte mais próximos até roteiros de visitação conforme a necessidade do visitante (para um dia, para quem tem criança, para estudantes, entre outros).

Funcionamento: Todos os dias da semana, das 9h às 19h. Às quintas-feiras, das 9h às 21h.
Contato: (31) 3239-2000
www.circuitoculturalliberdade.com.br

A busca pelo saber é o tema central das atividades do museu, que tem como função estimular a reflexão sobre o conhecimento em suas diversas formas, como o tradicional, o filosófico, o científico e o poético. O Espaço do Conhecimento ocupa o antigo prédio da Reitoria da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), e é fruto da parceria entre a Universidade Federal de Minas Gerais, o Governo do Estado e a empresa de telefonia TIM. Entendido como patrimônio a ser partilhado, o conhecimento é abordado em uma vasta programação, que inclui exposições, oficinas, visitas guiadas e debates sobre temas atuais do pensamento, das ciências e das artes. Entre as atrações mais procuradas do Espaço do Conhecimento estão o Terraço Astronômico e o Planetário, locais em que os visitantes podem conhecer técnicas de observação do céu. O museu possui ainda uma fachada digital em que são exibidos trabalhos audiovisuais.

Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 17h. Quinta-feira, das 10h às 21h.
Entrada gratuita. Ingressos apenas para o Planetário: R$ 6,00 inteira e R$ 3,00 a meia-entrada.
Sessões de Planetário:
Terça a domingo: 13h, 14h*, 15h* e 16h.
Quinta: 13h, 14h*, 15h*, 16h, 18h, 19h, 20h.
*As sessões de 14h e 15h, de terça a sexta, são reservadas aos grupos agendados.

O MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal abriga um importante acervo sobre mineração e metalurgia, duas das principais atividades econômicas de Minas Gerais. Usa recursos tecnológicos para destacar, de forma lúdica e interativa, a importância dos metais e minerais no cotidiano das pessoas. Além disso, marca a relação entre a história e as expressões culturais do estado com a riqueza de seus recursos naturais. O MM Gerdau ocupa o antigo edifício da Secretaria de Estado da Educação, inaugurado em 1897 e tombado pelo Iepha/MG. Com público diverso e entrada franca, o Museu recebe, em média, 5 mil visitantes mensalmente, e totaliza mais de 250 mil pessoas desde 22 de junho de 2010, data da abertura ao público.

Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 12h às 18h e, às quintas-feiras, das 12h às 22h. Entrada gratuita.

Será implantado em um galpão de 2 mil metros quadrados, que faz parte do complexo do Palácio da Liberdade. O espaço servia de estacionamento para veículos do Gabinete Militar do Governador de Minas Gerais e será aberto ao público. A implantação do museu é uma parceria com o Veteran Car Club do Brasil, que cederá o acervo de raridades para contar a história dos automóveis.

Na lista de novos espaços do Circuito Cultural Praça da Liberdade.

Outros detalhes pelo site
WWW.circuitoculturalliberdade.com.br
ou pelo telefone (31) 3239-2000.

Fruto do investimento do Governo de Minas, o Centro de Ensaios Abertos (Cena) será implantado no Prédio Verde, edifício de estilo Eclético construído pela Comissão Construtora da Nova Capital para sediar a Secretaria de Agricultura e que, posteriormente, daria lugar à Secretaria de Transportes e Obras Públicas. Com seis pavimentos e 9 mil m• de área construída, o Espaço Cena prevê salas de ensaio para grupos de teatro, dança, música e artes plásticas, além de salas multimídia, midiateca, centro de memória e documentação, entre outros. Um palco equipado com iluminação e sonoplastia para testes e ensaios também vai compor o novo espaço, que será um local não apenas de criação, mas também de contemplação do público.

O Memorial Minas Gerais Vale foi inaugurado em 2010 por meio da parceria entre o Governo de Minas e a Vale. Instalado no antigo prédio da Secretaria de Estado da Fazenda, o local enfoca a história geral do Estado reunindo sua riqueza cultural desde o século XVIII até os dias atuais, por meio de cenários reais e virtuais que se misturam para enriquecer a experiência do visitante. Mais que um espaço dedicado às tradições, origens e construções da cultura mineira, o Memorial Minas Gerais Vale é um lugar de trânsito e cruzamento entre a potência da história e as pulsações contemporâneas da arte e da cultura. É um lugar onde o presente e o passado está em contato direto, em permanente renovação.

Funcionamento: Terças, quartas, sextas e sábados: das 10h às 17h30, com permanência até às 18h. Quintas, das 10h às 21h30, com permanência até às 22h. Domingos, das 10h às 15h30, com permanência até às 16h.

O Centro de Arte Popular - Cemig foi inaugurado em 2012 e funciona no prédio do antigo Hospital São Tarcísio, localizado na Rua Gonçalves Dias, a poucos metros da Praça da Liberdade. O espaço privilegia a riqueza e a diversidade das manifestações culturais populares, valorizando o trabalho dos artistas que traduzem no barro, na madeira e em outros materiais, o universo em que vivem. No Centro de Arte Popular - Cemig, o público tem acesso a obras de artistas de várias regiões do Estado como o Vale do Jequitinhonha, Cachoeira do Brumado, Divinópolis, Prados, Ouro Preto, Sabará e outras, fornecendo uma dimensão ampla da cultura mineira. O Centro de Arte Popular - Cemig também abriga uma sala de exposições temporárias, loja de comercialização, Biblioteca e Sala Multiuso.

Funcionamento: terças, quartas e sextas-feiras, das 10h às 19h. Quinta-feira, das 12h às 21h e, aos sábados e domingos, das 12h às 19h. Entrada gratuita.

Criado em Ouro Preto, em 11 de julho de 1895, o Arquivo Público Mineiro (APM) é a instituição cultural mais antiga de Minas Gerais - 119 anos. São milhares de documentos de origem pública e privada que remontam aos períodos colonial, imperial e parte do republicano. O acervo abrange desde o século XVIII até o século XX e compreende, ainda, manuscritos, impressos, mapas, plantas, fotografias, gravuras, filmes, livros, folhetos e periódicos. Atualmente ocupa um dos casarões históricos da Av. João Pinheiro, que servia de moradia para autoridades do alto escalão do Governo na época da criação da nova capital.

Funcionamento: de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 17h.

O Museu Mineiro, localizado na Avenida João Pinheiro, 342, é uma construção do final do século XIX e revela a arquitetura que marcou oficialmente a fase inicial da cidade. Características ecléticas recuperam as linhas básicas da arquitetura greco-romana e renascentista e apresentam ornamentos de nítida aparência afrancesada. Atualmente o espaço reúne 36 coleções vindas de diversas instituições e de particulares. Destacam-se as coleções Arquivo Público Mineiro, Geraldo Parreiras, Pinacoteca do Estado de Minas Gerais, Iepha-MG, Jeanne Milde, Hidelgardo Meirelles, Irmã Renault, Rede Manchete e Servas.

Funcionamento: terças, quartas e sextas-feiras, das 10h às 19h. Quinta-feira, das 12h às 21h e, aos sábados e domingos, das 12h às 19h. Entrada gratuita.

O prédio da antiga Secretaria de Estado de Defesa Social abriga o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). O espaço, inaugurado em agosto de 2013, contribui para tornar Minas Gerais um dos grandes pólos da cultura nacional. Esta é a 4ª unidade no país, que abriga outros CCBBs em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. As instalações em BH contemplam 1.200 m2 de área para exposição; teatro com 264 lugares; espaços para atividade audiovisual, música, dança, teatro e espaços multiuso para debates, conferências, oficinas, palestras e atividades interativas e educacionais; espaços de convivência, lazer e alimentação, além de loja para comercialização de produtos culturais.

Funcionamento: Das 9h às 21h, todos os dias (exceto às 3ª-feiras)

Ambiente de criação, experimentação e reflexão, o Cefar Liberdade é voltado para o ensino da música e está inserido em um espaço cultural diversificado. Oferece aos alunos em formação a oportunidade de vivenciar ricas experiências em apresentações para públicos e espaços distintos. O Cefar Liberdade é uma extensão do Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado - Cefar, localizado no Palácio das Artes. No Cefar são oferecidos cursos livres, técnicos profissionalizantes e de extensão, destinados à capacitação, qualificação, aperfeiçoamento e atualização de crianças, jovens e adultos nas áreas de teatro, dança e música.

Funcionamento: De segunda a sexta-feira, das 9h às 20h.

O Horizonte Sebrae - Casa da Economia Criativa tem como objetivo ser um referencial de excelência na disseminação de informações sobre as relações entre criatividade, cultura, inovação, tecnologia e mercado. Ele ocupa uma antiga casa da Rua Santa Rita Durão e teve seu espaço pensado para o atendimento às pessoas envolvidas em ações da economia criativa. No espaço são oferecidas orientação e capacitação gerencial, com o objetivo de aumentar a competitividade dos empreendedores da área.

Funcionamento: de segunda a sexta, das 9h às 18h.

O Centro Cultural Oi Futuro, em Belo Horizonte, vai ocupar, ainda em 2014, o Palacete Dantas e o Solar Narbona. Para o novo endereço serão transferidos o teatro Klauss Vianna, duas galerias de arte e o Museu das Telecomunicações e novas atrações serão incorporadas. A área verde do Palacete será transformada em um Jardim Sensorial e as crianças ganharão uma Binquedo_tec. Também haverá um espaço para educação artística, com cursos de um ano de duração. O novo teatro terá capacidade para 200 espectadores, dotado de um sistema de arquibancadas retráteis e palco desmontável. O Museu das Telecomunicações será construído no terreno lateral ao Palacete Dantas, atualmente utilizado como estacionamento. Também serão criadas duas salas-laboratório, com equipamentos de áudio e vídeo, onde os alunos poderão se exercitar no campo das artes. A Galeria de Artes Visuais e a Galeria de Artes Gráficas e Fotojornalismo ocuparão andares diferentes, o que permitirá a exibição simultânea de duas exposições distintas. O Cineclube Oi Futuro também continuará exibindo sua seleção mensal de filmes de arte no novo Centro Cultural, em uma sala exclusiva. A entrega do novo espaço cultural da Oi ocorrerá em etapas e, ainda em 2014, deverão ser abertos as duas galerias de arte e o Jardim Sensorial. A previsão é de que todos os espaços estejam abertos ao público no 2º semestre de 2015.

Na lista de novos espaços do Circuito Cultural Praça da Liberdade.

Outros detalhes pelo site
WWW.circuitoculturalliberdade.com.br
ou pelo telefone (31) 3239-2000.

Navegue também pelas serras

Promotoria

Apoio Técnico:

GGN

Apoiadores Financeiros:

CNPQ  Finep  Fapemig

Parceiros:

INCT Acqua  Codap  Cedecap

Uma realização:

Instituto Quadrilátero  Geopark Quadrilátero Ferrífero

Produção:

Orange Editorial

Curadoria Digital: Helio Martins

Textos: Thais Pacheco

Imagens: Bruno Senna, Helio Martins - Raw Filmes

Interpretação da paisagem: Doutora Jeanne Cristina Menezes Crespo

Ilustrações: Leandro Moraes - Estúdio Caraminholas

Música: Sergio Pererê

Coordenação Geral: Renato Ciminelli - Presidente do Instituto Quadrilátero / Geopark