O Parque do Rola Moça

  • O Parque do Rola Moça
  • O Parque do Rola Moça
  • O Parque do Rola Moça
  • O Parque do Rola Moça
  • O Parque do Rola Moça
  • O Parque do Rola Moça
  • O Parque do Rola Moça
  • O Parque do Rola Moça
  • O Parque do Rola Moça

Patrimônio Natural

O Parque abriga seis importantes mananciais de água - Taboões, Rola-Moça, Bálsamo, Barreiro, Mutuca e Catarina - declarados pelo Governo Estadual como Áreas de Proteção Especial. Eles garantem a qualidade dos recursos hídricos que abastecem parte da população da região metropolitana de Belo Horizonte.

Para assegurar a proteção destes mananciais, esta área não está aberta à visitação pública.

A criação do parque visou proteger os mananciais de água que abastecem parte da população de Belo Horizonte, Ibirité, Brumadinho e Nova Lima. Esses mananciais guardam valioso remanescente de cerrado, matas ciliares e campos ferruginosos, além de estarem inseridos na Reserva da Biosfera do Espinhaço.

O Parque do Rola Moça

O Parque Estadual da Serra do Rola-Moça é uma das mais importantes áreas verdes do Estado. Situado numa zona de transição de Cerrado para Mata Atlântica, rico em campos ferruginosos e de altitude, na região metropolitana de Belo Horizonte, é o terceiro maior parque em área urbana do país e abriga alguns dos mananciais que abastecem a capital.

A Canga, ou Laterita Ferruginosa, tipo de solo peculiar encontrado na Serra do Rola Moça.

A unidade de conservação está localizada nos municípios de Belo Horizonte, Nova Lima, Ibirité e Brumadinho e foi criada em 27 de setembro de 1994, com a publicação do Decreto 36.071.

Os 3.941,09 hectares do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça são habitat natural de espécies da fauna ameaçadas de extinção como a onça parda, a jaguatirica, lobo-guará, o gato-do-mato, o macuco e o veado campeiro.

A vegetação diversificada proporciona ao Parque um colorido especial e um relevo peculiar, sendo encontradas espécies como orquídeas, bromélias, candeias, jacarandá, cedro, jequitibá, arnica e a canela-de-ema, que se tornou o símbolo do Parque. Recentemente descrito pela geologia, o Campo Ferruginoso é muito raro, sendo encontrado apenas em Minas Gerais, no quadrilátero ferrífero, e em Carajás, no Estado do Pará.

Navegue também pelas serras

Promotoria

Apoio Técnico:

GGN

Apoiadores Financeiros:

CNPQ  Finep  Fapemig

Parceiros:

INCT Acqua  Codap  Cedecap

Uma realização:

Instituto Quadrilátero  Geopark Quadrilátero Ferrífero

Produção:

Orange Editorial

Curadoria Digital: Helio Martins

Textos: Thais Pacheco

Imagens: Bruno Senna, Helio Martins - Raw Filmes

Interpretação da paisagem: Doutora Jeanne Cristina Menezes Crespo

Ilustrações: Leandro Moraes - Estúdio Caraminholas

Música: Sergio Pererê

Coordenação Geral: Renato Ciminelli - Presidente do Instituto Quadrilátero / Geopark