Mirante Digital: Moeda

Serra da Moeda

1. Serra da Moeda

Durante o Período Colonial brasileiro, a Serra da Moeda era chamada Serra do Paraopeba. Por volta da primeira metade do séc. XVIII, instala-se nesta serra uma casa clandestina de fundição de moedas (ou lingotes circulares de ouro), também chamada de ‘‘Fábrica de Moedas falsas’’ que faria o mesmo papel das casas oficiais da época, contudo, a custo menor. Os cunhos haviam sido roubados de outras casas de fundição e a moeda ali produzida foi chamada de falsa pelo fato de que o ouro não era fundido ou quintado nas Casas de Fundição Reais.

O trecho mais próximo à esta Fábrica foi chamado de ‘‘Fortaleza’’, pois, diante da aproximação dos possíveis ‘‘clientes’’, eram emitidos sinais com tiros de trabucos. Ainda, havia um tipo de ‘‘Regulamento’’ criado por Ignácio Ferreira, líder do grupo, que descreviam as atividades no cotidiano da casa de fundição e as severas medidas disciplinares. Este ocasionou divergências, causando a delação das atividades da ‘‘Fábrica’’ ao Ouvidor de Sabará. Em 1731, foi organizado um ataque à mesma, tendo esta sido destruída. Daí, que dizem que, desde então, a Serra do Paraopeba passou a ser designada de Serra da Moeda.

2. Marcas de trilhas pelas quais trafegam jipes, motos e ciclistas

3. Sinclinal da Serra da Moeda

O Sinclinal Moeda é uma mega estrutura geológica composta por um conjunto de ambientes montanos nitidamente distinguíveis na paisagem regional, formada pela Serra da Moeda, Serra das Serrinhas, Serra dos Três Irmãos, Serra dos Mascates, Serra do Esmeril, dentre outras.

O Sinclinal da Moeda nasce nos municípios de Nova Lima e Brumadinho. Desde seu início, este compreende em sua margem direita, considerando orientação norte-sul, o território dos Municípios de Nova Lima, Itabirito, Ouro Preto e Congonhas. Na sua margem esquerda, os Municípios de Brumadinho, Moeda, Belo Vale e Jeceaba.

4. Serra do Rola Moça

O nome desta Serra foi contado em “causo" e imortalizado por Mário de Andrade em um poema que relata a história de um casal que, logo após a cerimônia de casamento, cruzou a Serra de volta para casa. No caminho, o cavalo da moça escorregou no cascalho e caiu no fundo do grotão. O marido, desesperado, esporouseu cavalo ribanceira abaixo e “a Serra do Rola-Moça, Rola-Moça se chamou".

Situada no monoclinal da Serra do Curral, justo na confluência das Serras do Curral, Moeda e Três Irmãos, englobando os municípios de Belo Horizonte, Nova Lima, Ibirité e Brumadinho. Abriga uma paisagem peculiar devido à topografia acidentada, com altitudes que variam entre 1200 e 1800 m de altitude, características geológicas e riquezas naturais presentes nos diferentes ecossistemas que abriga, como matas ciliares, áreas de cerrado e campos rupestres.

5. Pico dos Três Irmãos

O Pico dos três irmãos, também conhecido por Serra dos três irmãos, faz parte da cadeia de montanhas que compõem o homoclinal da Serra do Curral, estando localizado no extremo oeste da mesma, no Município de Brumadinho.

Elemento topográfico de expressão na identidade e memória dos habitantes de Brumadinho, este encontra-se em área próxima a vários atrativos naturais, sendo um dos destinos mais procurados para a prática de esportes ecológicos e radicais na região.

6. Serra de Itatiaia

A Serra de Itatiaia está localizada no limite dos municípios de Igarapé, Mateus Leme e Itatiaiuçu. Localiza-se a 8km do centro da sede distrital do Município de Igarapé. Do alto tem-se uma vista privilegiada da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

7. Vale do Rio Paraopeba

A bacia hidrográfica do rio Paraopeba esta situada a sudeste do Estado de Minas Gerais, abrangendo uma área de 13.643 km2 que engloba 48 municípios de paisagens, culturas, economias e realidades sócio-econômicas e ambientais muito diversas. O rio Paraopeba tem suas nascentes ao sul do município de Cristiano Otoni e tem como seus principais afluentes os rios Águas Claras, Macaúbas, Betim, Camapuã e Manso. Ele é um dos mais importantes tributários do rio São Francisco, percorrendo aproximadamente 510 km até a sua foz no lago da represa de Três Marias, no município de Felixlândia.


8. Região das comunidades quilombolas de Marinhos e de Sapé

No Sapé vivem 44 famílias, constituídas de aproximadamente 150 pessoas. No local há distribuição de energia elétrica, mas faltam telefones públicos e rede de esgoto. As ruas não são calçadas e o transporte público é precário. Na comunidade há uma igreja dedicada a São Vicente de Paula a e Associação de Moradores do Sapé. Na região de Marinhos, em Brumadinho, onde se encontra a comunidade, há ainda a antiga Fazenda dos Martins, que teria sido construída por escravos ancestrais dos moradores de Sapé. Com muros de pedra, possui paredes e forros pintados ao estilo da do século XVIII.

A comunidade quilombola de Marinhos abriga aproximadamente 80 (oitenta) famílias, em área total que é desconhecida pelos moradores. Possui uma igreja dedicada a Nossa Senhora da Conceição, uma escola municipal e um posto de saúde, serviços esses que são utilizados não só pelos seus moradores, como também por residentes de comunidades vizinhas como Rodrigues, Ribeirão, Colégio, entre outras.

A comunidade foi reconhecida como quilombola pela Fundação Cultural Palmares, em julho de 2010.


9. São Caetano

Localidade rural do Município de Moeda.

10. Geossítio Ruínas clandestinas da casa de fundição

O sítio está localizado no município de Moeda, (coordenadas UTM 606.918/ 7.756.399). Caracteriza-se por uma pequena estrutura constituída por um muro que define um contorno quadrangular utilizando camadas sucessivas de pedras de formato irregular de diferentes tamanhos. Apresenta uma única entrada frontal, um portal de acesso.

Este sítio arqueológico é um testemunho histórico da história da mineração, em especial dos descaminhos do ouro no período colonial. A construção explorou ao máximo as condições topográficas locais e utilizou matéria-prima encontrada na região. O caráter de permanência da pedra permitiu que os vestígios sobrevivessem até os dias de hoje, embora, por motivos diversos, as ruínas estejam bastante degradadas.


11. Vieira de Cima

Localidade rural do Município de Moeda.

12. Sede Distrital de Moeda

O município de Moeda possui população estimada em 4 903 habitantes (IBGE, 2014), com uma área de 154,764 km2. Este município vem despertando grande interesse de populações vizinhas, principalmente os de Belo Horizonte, devjido ao clima, belezas naturais e pela oportunidade de uma melhor qualidade de vida. Assim, a indústria turítica se vê fomentada por uma série de fatores como a preservação ambiental e paisagística; o acervo histórico cultural e a paisagem da Serra da Moeda; além do circuito Estrada Real ao qual Moeda esta integrada.

13. Áreas de exploração econômica

Nas paisagens avistadas do mirante da Serra da Moeda, podemos verificar grandes áreas destinadas à atividade econômica tradicional do município de Moeda: a pecuária. Tal atividade se aplica, principalmente, na agroindústria de pequeno porte como a de laticínios, doces e alambiques.

Outra marca muito presente é a das propiedades de sitiantes, cuja presença na região vem aumentado muito desde a década de 90, com o fortalecimento da indústria do turismo, principalmente, o eco-turismo e o turismo rural.

14. Azevedo

Localidade rural do Município de Moeda.

15. Vegetação da Serra da Moeda

A Serra da Moeda apresenta variações altitudinais entre 700 e 2000m acima do nível do mar e está situada na região das nascentes dos rios das Velhas (a leste) e Paraopeba (a oeste), ambas afluentes do Rio São Francisco. Localiza-se em uma área de transição da mata atlântica para o cerrado. Desta forma, apresenta formações vegetacionais do domínio da mata atlântica, representadas pelas florestas estacionais semideciduais, campos de altitude e matas de galeria; assim como, formações campestres do domínio do cerrado, como campo limpo e campo cerrado.

Geralmente localizados nas cristas e encostas das serras que formam o Sinclinal Moeda, em altitudes superiores a 1350m, ocorrem os chamados relictos vegetacionais ou campos rupestres ferruginosos. Nestes, a vegetação pode ser do tipo gramínia-lenhosa, crescendo sobre a rocha em áreas onde a camada de solo é escassa, estando geralmente acumulado nas fendas e gretas entre as rochas. Ainda, podemos encontrar alguns capões de mata sobre a canga couraçada, formados por um conjunto de espécies arbustivas e arbóreas de pequena altura (até 6m) e muito adensados. A presença desses capões modifica o ambiente da canga couraçada, propiciando condições de sombreamento, maior retenção de umidade, matéria orgânica para o solo, e permite a ocorrência de espécies florestais.

16. Marinho da Serra

Localidade rural do Município de Moeda.

Navegue também pelas serras

Promotoria

Apoio Técnico:

GGN

Apoiadores Financeiros:

CNPQ  Finep  Fapemig

Parceiros:

INCT Acqua  Codap  Cedecap

Uma realização:

Instituto Quadrilátero  Geopark Quadrilátero Ferrífero

Produção:

Orange Editorial

Curadoria Digital: Helio Martins

Textos: Thais Pacheco

Imagens: Bruno Senna, Helio Martins - Raw Filmes

Interpretação da paisagem: Doutora Jeanne Cristina Menezes Crespo

Ilustrações: Leandro Moraes - Estúdio Caraminholas

Música: Sergio Pererê

Coordenação Geral: Renato Ciminelli - Presidente do Instituto Quadrilátero / Geopark