Economia Criativa

  • Economia Criativa
  • Economia Criativa
  • Economia Criativa
  • Economia Criativa

Fomentar a Economia Através da Criatividade

Planejar o futuro com arte, cultura e sustentabilidade. Essa é a intenção da Economia Criativa, nova forma de impulsionar o setor criativo que está em alta em vários paises pelo mundo. O Sebrae Minas, em parceria com o Governo do Estado, inaugurou o Horizonte Sebrae - Casa da Economia Criativa. O espaço integra o Circuito Cultural da Praça da Liberdade, o maior complexo cultural do país, e vai contribuir para o aperfeiçoamento dos empreendedores da área, além de alavancar o setor em Minas Gerais. O termo economia criativa é usado para definir as atividades que tenham a criatividade como principal ativo de seus negócios (exemplo das artes, dos jogos eletrônicos, do design, da mídia etc).

O espaço Horizonte Sebrae - Casa da Economia Criativa foi idealizado para organizar a demanda de empreendedores que atuam no mercado dos setores criativos em Minas Gerais e que ainda precisam desenvolver a sustentabilidade de seus empreendimentos, adquirir independência dos recursos do estado, profissionalizar a gestão e buscar a longevidade de seus negócios.

As áreas de abrangência da economia criativa trabalhadas pelo Sebrae seguem a visão proposta pela Unesco, e adotada também pelo Ministério da Cultura. Incluem, entre outros, os setores de audiovisual (cinema, televisão e publicidade), design, música e arquitetura.

Este ano, o Sebrae Minas terá cinco projetos para estimular o desenvolvimento setorial das atividades que compõem segmentos da economia criativa, com um investimento inicial de R$ 1,652 milhão. A instituição dará continuidade ao projeto de Audiovisual, realizado em Cataguases, na Zona da Mata e região e também ao Horizonte Criativo, desenvolvido na Região Metropolitana de Belo Horizonte desde 2010, voltado a empreendedores da música.

O termo ‘‘economia criativa’’ é usado para definir as atividades que têm a criatividade como principal ativo de seus negócios (nas artes, jogos eletrônicos, design, mídia, etc).

Para o Ministério da Cultura, a economia criativa compreende o ciclo de criação, produção, distribuição/difusão e consumo/fruição de bens e serviços caracterizados pela prevalência de sua dimensão simbólica.

Segundo a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad), em seu relatório sobre o tema editado em 2010, economia criativa é um conceito em evolução, baseado no potencial dos recursos criativos para gerar crescimento econômico e desenvolvimento.

O relatório da Unctad/ONU divide o setor em quatro categorias:

Patrimônio - sítios culturais (arqueológicos, museus, bibliotecas e galerias) e manifestações tradicionais (arte popular, artesanato, festivais e celebrações).

Artes - artes visuais (pintura, escultura e fotografia) e artes performáticas (teatro, música, circo e dança).

Mídias - publicações e mídias impressas (livros, jornais e revistas) e audiovisual (cinema, televisão e rádio).

Criações funcionais - design (interior, gráfico, moda, joias e brinquedos), serviços criativos (arquitetura, publicidade, P&D criativos, lazer e entretenimento) e novas mídias (softwares, jogos eletrônicos e conteúdos criativos digitais).

Navegue também pelas serras

Promotoria

Apoio Técnico:

GGN

Apoiadores Financeiros:

CNPQ  Finep  Fapemig

Parceiros:

INCT Acqua  Codap  Cedecap

Uma realização:

Instituto Quadrilátero  Geopark Quadrilátero Ferrífero

Produção:

Orange Editorial

Curadoria Digital: Helio Martins

Textos: Thais Pacheco

Imagens: Bruno Senna, Helio Martins - Raw Filmes

Interpretação da paisagem: Doutora Jeanne Cristina Menezes Crespo

Ilustrações: Leandro Moraes - Estúdio Caraminholas

Música: Sergio Pererê

Coordenação Geral: Renato Ciminelli - Presidente do Instituto Quadrilátero / Geopark